Mães da Engenharia: o equilíbrio entre a dedicação à profissão e aos filhos

No próximo domingo, dia 13 de maio, é comemorado o Dia das Mães. Uma data marcada por homenagens às mães, que em suas duplas, triplas jornadas, se desdobram em várias para dar atenção e educação aos filhos, cuidarem do trabalho doméstico e ainda se dedicarem com maestria à vida profissional.

A Federação Nacional da Engenharia Mecânica e Industrial (FENEMI) foi atrás da história por trás da rotina dessas mães, que se dedicam à Engenharia e à maternidade. Apresentamos duas Engenheiras Mecânicas, a Alzira Nogueira, de Dourados, MS, e a Michele Costa, de Camaçari, Bahia, diretora da FENEMI.

Confira um pouco mais das histórias dessas mães Engenheiras:

 

Michele e as filhas

Michele Costa é Engenheira Mecânica e mãe da Ana Laura, de 14 anos, e da Ana Elisa, de 11 anos. Para ela, “não é nada fácil” equilibrar os papéis de mãe e profissional, principalmente quando se tem uma filha adolescente. “Desde cedo sempre foi passado para elas a necessidade de me firmar não só como mãe mas também como profissional e hoje elas entendem as ausências e, muitas vezes as viagens, fazendo com que tenham orgulho e da importância das atividades que faço”.

Sobre os desafios da área, que é predominantemente masculina, Michele conta que tem o hábito de explicar às filhas que possuem a mesma competência e capacidade dos homens. “Não podemos nos deixar intimidar pelos desafios que acontecem meios machistas onde somos a exceção. Mostrar nossas habilidades junto com nosso cognitivo faz toda a diferença para nos destacarmos”.

E o interesse pela Engenharia? Michele conta que o marido foi quem apresentou a Engenharia. “Ele também é Engenheiro Mecânico... (risos) e de cara me identifiquei com a área. Na época, eu estava concluindo o curso de Biologia e conhecer esse novo mundo me fez mudar de área. Tive todo apoio e incentivo dele, mas fazer Engenharia já com família não foi fácil e, ao contrário do que muita gente pensa, que ele me ajudava... ele incentivava e dizia que o curso dele já tinha sido concluído e EU precisava fazer o meu”. 

Michele conclui falando sobre sua rotina. “Além de administrar a família, tenho que conciliar com a atividade de professora, conselheira do CREA-BA, Diretora da FENEMI, aulas de inglês e pós-graduação em Engenharia de Segurança. Organizando o tempo é possível viajarmos juntos, passearmos, cinema, aniversários e buscando o melhor para minha família de forma que tenham orgulho de tudo que faço é sempre pensando no nosso bem-estar.”

 

Alzira e os filhos

Alzira Nogueira é Engenheira Mecânica, reside em Dourados, Mato Grosso do Sul e é mãe do Luiz Renato, de 15 anos, e da Camila, de 10 anos.

Sobre o equilíbrio entre a carreira profissional e a maternidade, Alzira diz que é preciso dosar os dois papeis, pois ambos são importantes. “A atuação profissional é importante tanto como realização pessoal como no papel de mãe, pois ajuda a prover o necessário para os filhos. O equilíbrio existe quando se percebe que a atuação profissional não anula o papel de mãe em sua plenitude e vice-versa, mas confesso que muitas vezes fico em dúvida se fiz o certo nas escolhas como mãe ou como profissional”.

Sobre a igualdade de gêneros na profissão, Alzira afirma que sempre encarou com normalidade estar em um ambiente predominantemente masculino. Se não foi implantado preconceitos na mente deles, não há dúvidas e nem o que discutir, logo, só existe a igualdade de gêneros na minha profissão e sem questionamentos por parte dos meus filhos.

Quando identificou seu desejo/aptidão para a Engenharia? Teve o apoio dos pais e familiares?

Venho de uma família de engenheiros! Sempre tive afinidade com os conteúdos da área de exatas. A Engenharia sempre me pareceu a opção mais sensata e fácil. Tenho certeza que meus pais me apoiariam em qualquer profissão que eu decidisse ter.

Temos nomes importantes de mulheres que fizeram história nas diversas áreas da Engenharia. Quem te inspirou a seguir nessa profissão?

Na verdade, a decisão pela Engenharia foi pela afinidade com as áreas de exatas, mas as civilizações estão cheias de obras da Engenharia que me fascinam. O desenvolvimento tecnológico obtido através de estudos e trabalhos dos diversos engenheiros é deslumbrante e tenho profunda gratidão a eles, pois ajudaram grandemente a chegarmos no desenvolvimento que temos hoje na humanidade. É inspirador pensarmos nas fontes alternativas de energia que estão sendo desenvolvidas e pesquisadas, nos diversos materiais (ligas) que estão sendo pesquisados para uso na medicina, nos estudos sobre transformação do lixo em materiais úteis ou em energia, no desenvolvimento de carros autônomos ou em meios de transportes mais rápidos e mais seguros, etc.

Quais atividades fazem parte da sua rotina no trabalho e em família?

Como sou profissional liberal, às vezes não tenho muita rotina, mas adianto que conto muito com a ajuda do meu marido e da minha mãe, além da compreensão dos meus filhos. É muito importante termos em quem nos apoiarmos, pois é muito difícil conciliar os dois papéis sozinha. Às vezes, quando pego um serviço e é urgente, tudo o que me resta a fazer de estratégia é listar os horários e obrigações das crianças e pedir para que meu marido e minha mãe se revezem no cuidado com eles. Lógico que isso não pode durar por muito tempo (risos).